Informação para despertar consciências.

A Hipnose e a Culpa – Como nos desipnotizarmos da recriminação, do ressentimento e do remorso
, / 723 0

A Hipnose e a Culpa – Como nos desipnotizarmos da recriminação, do ressentimento e do remorso

PARTILHAR
Página Inicial Sociedade Educação A Hipnose e a Culpa – Como nos desipnotizarmos da recriminação, do ressentimento e do remorso

“Todas as culpas se resgatam.”
(provérbio popular)

Por toda a sociedade observamos pessoas a sofrerem consequências de algo que culturalmente nos foi transmitido, ensinado e até mesmo exemplificado: a culpa.
É algo que parece estar enraizado na nossa cultura e que é um dos primeiros sentimentos aprendidos, em função da educação que recebemos.

E como é tão transversal na nossa sociedade, entendemo-la como algo que é natural de carregar resignando-se muitos de nós a fazê-lo. Vivendo num transe sintomático ou uma espécie de auto-hipnose reactiva e negativa de carregar com o seu peso.

Talvez por isso tão poucas pessoas se queixem directamente da culpa, mas carregam-na. Sendo o seu corpo a queixar-se, em vez da mente.
Enquanto na mente as queixas que surgem são “tenho uma baixa auto-estima…”, “não gosto de mim…”, “não me consigo ver ao espelho…”

Como podemos parar isto, antes que o corpo grite e as doenças cheguem?
Em vez de nos apontarmos o dedo, recriminando-nos por coisas que fizemos ou por decisões que tomámos, será bom reconciliarmo-nos e pacificarmo-nos connosco próprios.
Se a culpa é por nós dirigida para outros, será bom considerar o perdão.
E se a culpa nos é entregue por alguém que nos aponta o dedo ou se vitimiza, devemos então tranquilizar e limpar a nossa consciência.

Neste sentido a hipnose e o hipnodrama (uma adaptação do psicodrama de Jacob Levy Moreno) poderão alavancar esse processo.
Isto porque, supostamente, as pessoas não conseguem viajar no tempo.
Mas na verdade, na mente de cada um, cada um consegue-o fazer.

Através de um estado modificado de consciência (EMC, transe), cada pessoa usando a sua imaginação de forma activa, e combinando-a com as lembranças que tem, pode “viajar no tempo” e ir ao encontro daquela parte de si que tanto recrimina. E dizer-lhe algo diferente: “Não estou aqui para te julgar. Não estou aqui para te acusar ou culpar… Estou aqui para te dizer que compreendo…”
Iniciando desta forma, num estado modificado de consciência ou em transe, uma fantástica e libertadora conversa terapêutica.

Desta forma se pode iniciar um processo de aceitação e, talvez até, de perdão. Criando-se as condições para uma libertação emocional e física. Sendo algo que, muitas vezes, se consegue com um número reduzido de sessões – dependendo dos recursos cognitivos, emocionais ou espirituais de cada pessoa.

Estas dinâmicas que se iniciam e se consolidam em sessões com um terapeuta, podem então ir sendo reforçadas com algum trabalho de auto-hipnose ou meditativo, bem como com algumas tarefas comportamentais específicas, igualmente acordadas com o terapeuta.

Se a culpa está presente na sua vida, coloque no seu horizonte a possibilidade de a sublimar, transformar ou libertar-se dela. Não só é possível fazê-lo, como é um sábio dever para com todo o seu Ser – Corpo, Mente e Espírito.
Com a hipnose e a hipnoterapia, também é possível fazê-lo.

*a pedido do autor este texto não segue as normas do acordo ortográfico

Caso pretenda pode ter acesso ao artigo em PDF. Faça   Download  aqui.

Etiquetas:,
Autor
Autor, terapeuta e formador na área de Hipnose Clínica/Hipnoterapia. Pertence, na qualidade de "Full Member" à British Society of Clinical Hypnosis (www.bsch.org.uk), possui formação em consultoria filosófica na linha de Lou Marinoff (Gabinete Project@ - Portugal) e competências na área da Cura Prânica (linha do Mestre Choa Kok Sui). Com formação específica em campos como o dos Cuidados Paliativos, Interpretação de Sonhos, Ataques de Pânico, Controlo de Peso, Controlo de Tabagismo, TLT (Time Line Therapy), EMDR (Eye Movement Dessensitization Reprocessing) , ETA (Empowerment through Archetypes), Life Between Lives (Vidas entre Vidas) e Smoking Cessation (Cessação Tabágica) e HypnoBirth (Hipnoparto). Recebeu formação directa de alguns dos mais eficazes e proeminentes hipnoterapeutas/psicoterapeutas internacionais na área da hipnose clássica, hipnoterapia cognitivo-comportamental, hipnose ericksoniana e terapias regressivas. Coordena e mantém, desde Julho de 2006, o blog sobre pensamento positivo Hipnozz.Blogspot.com, é autor dos livros "Hipnose nos nossos dias" publicado pela editora Ariana em Janeiro de 2009 e "Hipnose e Ansiedade" publicado pela mesma editora em Julho de 2010. Colaborou e colabora regularmente com vários orgãos de comunicação social, organismos oficiais e entidades de ensino, divulgando e abordando a temática da hipnose.

Artigos Relacionados

Deixar um Comentário

O seu endereço de email não será publicado.

PASSWORD RESET

LOG IN