Informação para despertar consciências.

«Omeprazol» provoca deficiência de “Vit. B12″ e a longo prazo “Demência
, / 465 0

«Omeprazol» provoca deficiência de “Vit. B12″ e a longo prazo “Demência

PARTILHAR
Página Inicial Saúde Farmacêuticas «Omeprazol» provoca deficiência de “Vit. B12″ e a longo prazo “Demência

OMEPRAZOL: medicamento da classe dos anti-ulcerosos, que reduz a secreção ácida do estômago é a segunda droga mais consumida no mundo e tem sido usado por médicos e pacientes “mal utilizados, como um recurso preventivo

O alarme foi lançado numa das cinco publicações médicas mais prestigiosas do mundo, “JAMA”, que não é a “bíblia” da medicina, mas é parte de seus livros sagrados. Pois isto nada duvida da autenticidade da publicação. A toma continuada, durante mais de dois anos, de omeprazol, o segundo medicamento mais consumido do mundo depois do paracetamol e uso mais comum para problemas gástricos, favorece a aparição de demência, danos neurológicos e também pode causar anemia. A notícia não surpreendeu os médicos que “desde há cinco anos, talvez mais” que vinham ouvindo falar da existência de todos estes efeitos secundários. mas torna-se difícil a sensibilização tanto dos profissionais de saúde como dos seus pacientes, a fazer ” um uso mais racional deste fármaco”, diz o presidente da Seção de Medicina de Família e Comunidade da Academia de Ciências Médicas de Bilbao, José Antonio Estévez.

O aparecimento de omeprazol, diz o especialista, foi uma autêntica revolução no tratamento de úlceras gástricas e na hérnia de hiato, que são as principais indicações. Para os primeiros, porque as lesões no estômago provocavam dor e mau estar condicionando a qualidade de vida. O maior avanço supõem-se, sem dúvida, no tratamento da hérnia hiatal, cuja principal terapia era a cirurgia que dava muitoa maus resultados.. “Eu tenho visto muitas pessoas, incluindo os jovens, morrerem na sala de cirurgia, porque é um procedimento muito invasivo”, lembra Estevez.

Os resultados obtidos com o fármaco devem ter sido “tão bons em todos esses anos” que os médicos “começaram a receitá-lo de forma abusiva  como prevenção”, não só para estas doenças como também para outras, como a acidez estomacal. e os pacientes a consumir de igual modo. A organização Kaiser Permanente provedora de serviços nos Estados Unidos e referência mundial no manejo sanitário decidiu avaliar os riscos para a saúde do consumo a longo prazo deste fármaco; e os resultados do estudo foi publicado na revista da Associação Médica Americana, “JAMA”.

Os investigadores queriam comprovar se a ingestão prolongada de omeprazol provocava falta de vitamina B12 (chamada de cobalamina), que é essencial para o crescimento da pessoa e essencial para o desenvolvimento normal do sistema nervoso. 

É sabido que muitas pessoas de idade têm deficiência de vitamina B12, que se manifesta pelo aparecimento de fadiga, cansaço, diarreia ou feridas na boca, “sintomas tão comuns que podem induzir em erro o médico.”

omeprazol

O conselho médico

Estudos sobre esta matéria que havia eram pequenos e a organização Kaiser Permanente se porpôs ampliar esta investigação. Reuniu um grupo de 25.956 pacientes com deficiência de vitamina B12 e comparou s com outro 184.199 pessoas sem este transtorno. Todos eles foram seguidos durante  quatro anos, entre 1997 e 2011 e os resultados não deixaram lugar a dúvidas.

Como se esperava, o composto inibe o ácido gástrico de absorver a vitamina B12 e a sua carência favorece o aparecimento de demências, anemia e dano neurológico. Entre 10% e 15% dos idosos têm deficiência de cobalamina [Vit. B12]. Ao comparar os dois grupos verificou-se que 65% das pessoas que tinham tomado omeprazol por dois ou mais anos apresentavam um maior risco déficit de vit. B12.  A toma de  1,5 comprimidos diariamente implica um risco de 95% de apresentar carências.

Deve então deixar-se de tomar omaprazxol? José Antonio Estévez diz que não, porque seria pior o remédio do que a doença. “Agora, os médicos têm que refletir sobre a forma mais benéfica e adequada de receitá-lo. Haverá necessidade de eleger bem os casos, ajustar melhor as doses, fazer intervalos entre o seu consumo e utilizá-la só quando estritamente necessário.  “Em definitivo, usá-la de forma racional, como tratamento e não como terapia preventiva”.

Fontes: Diário de Notícias / Prof. Dr. Jorge Fonseca – Medicina Integrativa

Deixar um Comentário

O seu endereço de email não será publicado.

PASSWORD RESET

LOG IN